Dr. Lísias Nogueira Castilho - Urologista | Fone: (19)32540225 / 3112-4600

Dra. Silvia Diez Castilho - Pediatra | Fone: (19)25136091

Artigos

Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio

O dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Além da ampla divulgação de números sobre o suicídio no mundo, discutem-se medidas preventivas e estudam-se os principais subgrupos populacionais que estão sob maior risco e demandam maior atenção do Estado, dos educadores e das famílias. O dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Além da ampla divulgação de números sobre o suicídio no mundo, discutem-se medidas preventivas e estudam-se os principais subgrupos populacionais que estão sob maior risco e demandam maior atenção do Estado, dos educadores e das famílias. 

Entre 800 mil e 1 milhão de pessoas se matam por ano. Alguns milhões de indivíduos tentam o suicídio, sem sucesso, e ficam, às vezes, mutilados, ficam sempre perturbados emocionalmente e socialmente estigmatizados. O suicídio é um tema riquíssimo em Saúde Pública, Psiquiatria, Sociologia, Antropologia, Medicina Social e Psicanálise. 

No livro intitulado Os sofrimentos do jovem Werther, Goethe descreveu o sofrimento de um jovem apaixonado por uma mulher casada. Em cartas sequenciais, o jovem vai se convencendo de que a única saída para seu impasse existencial é a morte, que termina por acontecer, pela via do suicídio. O livro fez tanto sucesso, que levou à morte por suicídio dezenas, talvez centenas, de jovens europeus. Nos anos 1970, o sociólogo David Phillips cunhou o termo “efeito Werther” para descrever o fenômeno social e global de suicídios em série depois da divulgação do suicídio de uma pessoa de destaque, especialmente entre os jovens. Esse fenômeno existe, comprovadamente, mais ainda agora, graças aos meios de comunicação social on-line de que dispomos. 

O suicídio pode ocorrer em qualquer idade, em ambos os sexos, até em crianças, mas é muito mais comum entre pessoas depressivas e entre os dependentes químicos. Geralmente, o suicídio é anunciado, às vezes sutilmente, outras vezes escancaradamente. Amigos, familiares e professores são os primeiros a detectar os primeiros sinais e sintomas do potencial suicida. Devem agir rapidamente e sob a orientação de um psiquiatra. Serviços como o que presta o CVV (Centro de Valorização da Vida – ligue 141) e por outros grupos de ajuda (por meio de telefone, e-mail ou chat) são de valor inestimável e salvam vidas todos os dias. São gratuitos e estão disponíveis 24 horas por dia.

Imprimir Email

0
0
0
s2sdefault