Dr. Lísias Nogueira Castilho -Urologista
Fone: 19-32130301 / 19-32413155
Rua Dr. Albano de Almeida Lima, 489

Jardim Guanabara
Campinas, SP CEP 13073-131


Dra. Silvia Diez Castilho - Pediatra
Fone: 19-25136091
Rua Dr. Emilio Ribas, 805 - CJ 42
Cambuí
Campinas, SP
CEP 13025-142
Sangue no Esperma PDF Imprimir E-mail
Escrito por Dr. Lisias Castilho   
É relativamente comum que um homem sadio um dia leve um susto ao constatar que seu esperma tenha sangue. Pode ser um adolescente, um homem maduro ou um idoso. Ao fenômeno da presença de sangue no esperma se dá o nome de hemospermia. As causas da hemospermia são muito variadas, mas geralmente benignas como a infecção da próstata. No entanto certos homens apresentam homospermia por apresentarem câncer de próstata. Em um contingente muito grande de homens com hemospermia não se encontra nenhuma causa, ao que se dá o pomposo nome de hemospermia idiopática para esconder nossa ignorância científica. A hemospermia pode ser acompanhada de sintomas dolorosos, como ardência ou dor perineal durante a ejaculação ou pode vir interiamente desacompanhada de outras manifestações. O sangue pode ser vivo ou não, conferindo uma cor amarronzada ou amarelada ao esperma. Quem leva o susto de deparar com um quadro de hemospermia não deve ir ao Pronto-Socorro porque o sangue no esperma não confere qualquer risco imediato e não pode ser tecnicamente avaliado, senão por um especialista, que é o urologista. O plantonista de Pronto Socorro praticamente nada pode fazer, a não ser orientar e tranqüilizar. O urologista, depois de fazer algumas perguntas ao paciente, irá examiná-lo por inteiro, dando especial atenção à região genital e ao toque retal para avaliação da próstata. Depois o médico solicitará exames de urina, sangue e esperma. Eventualmente solicitará também um exame de ultra-som feito pelo reto para examinar a próstata e as vesículas seminais, os órgãos mais diretamente responsáveis pela produção e estocagem do esperma e geralmente envolvidos com a hemospermia. Descoberta a causa, vem o tratamento, que pode ser medicamentoso ou cirúrgico, dependendo dos resultados dos exames. Quase sempre o paciente fica curado antes de retornar com os exames, o que dispensa qualquer tratamento. A hemospermia pode ser secundária à pressão alta e outras doenças crônicas que promovem alterações circulatórias. O tratamento destes casos resume-se a tratar a causa básica, no caso da hipertensão arterial, com remédios para diminuir a pressão. Hemospermia assusta sempre, mas praticamente nunca leva ao diagnóstico de doenças sérias.