Back

O que é Rabdomiossarcoma

O que é Rabdomiossarcoma

O rabdomiossarcoma é um câncer de crescimento rápido que pode se desenvolver nos tecidos moles (tais como músculos) em quase qualquer lugar do corpo.

 

  • Os rabdomiossarcomas podem se desenvolver em qualquer lugar, mas a cabeça, o pescoço, o trato genital, o trato urinário e os membros são os locais mais comuns.
  • Os sintomas dependem de onde os rabdomiossarcomas se desenvolvem.
  • O diagnóstico envolve um exame por imagem e uma biópsia.
  • O tratamento consiste em cirurgia, quimioterapia e às vezes radiação.

Estatística

Os rabdomiossarcomas representam de 3 a 4% dos cânceres infantis. Dois terços desses cânceres são diagnosticados em crianças com menos de sete anos de idade. O câncer é levemente mais comum em meninos do que meninas e é mais comum em brancos do que negros, principalmente porque é menos comum em meninas negras.

Esse câncer se desenvolve a partir de células que normalmente se transformariam em células musculares.

Causa do rabdomiossarcoma

A causa do rabdomiossarcoma é desconhecida.

Embora o rabdomiossarcoma possa ocorrer em quase qualquer lugar, ele tende a ocorrer, com maior frequência, nas seguintes áreas:

 

  • Cabeça e pescoço (em cerca de 35% dos casos): São mais comuns em crianças em idade escolar
  • Trato genital ou urinário, em geral na bexiga, próstata ou vagina (em cerca de 25% dos casos): Normalmente ocorre em bebês e em crianças pequenas
  • Membros (em cerca de 20% dos casos): Mais comum em adolescentes
  • Tronco ou outros locais diversos (em cerca de 20% dos casos)

O rabdomiossarcoma pode se espalhar (criar metástases) para outras partes do corpo. Mas ele geralmente é diagnosticado antes de se espalhar. Aproximadamente 15 a 25% das crianças são diagnosticadas depois de ter ocorrido a disseminação do câncer. Nessas crianças, a localização mais comum deste câncer é nos pulmões. Ossos, medula óssea e linfonodos são outros locais para onde o câncer pode se disseminar.

Sintomas

Na maioria das crianças, a primeira evidência do câncer é um nódulo firme ou problemas relacionados a um órgão afetado pelo câncer, como segue:

 

  • Olhos: lacrimejamento, dores oculares ou olho saliente
  • Nariz e garganta: congestão nasal, alteração da voz ou coriza contendo muco e pus
  • Trato genital ou urinário: dores abdominais, nódulo no abdômen que pode ser sentido, dificuldade para urinar e sangue na urina
  • Membros: nódulos firmes nos braços e nas pernas

Os cânceres em membros frequentemente se espalham, especialmente para os pulmões, para a medula óssea e para os gânglios linfáticos. Em geral, essa propagação não causa sintomas.

Diagnóstico

 

  • Tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM)
  • Biópsia ou remoção do tumor

O paciente realiza exame de TC ou RM, caso um nódulo seja detectado. O diagnóstico do rabdomiossarcoma é confirmado coletando uma amostra do nódulo e examinando ao microscópio (biópsia). Às vezes o nódulo inteiro é removido.

Para determinar se houve disseminação do câncer, são realizados um exame de TC do tórax e uma cintilografia óssea (exame de imagem de medicina nuclear dos ossos) e outro tipo de exame de imagem por radionuclídeos chamado tomografia por emissão de pósitrons (PET-TC) e uma amostra da medula óssea é removida dos ossos dos dois lados do quadril e examinada.

Prognóstico

O prognóstico toma por base diversos fatores:

 

  • A localização do câncer
  • Quanto do câncer pode ser removido
  • Se ele se espalhou
  • A idade da criança
  • A aparência das células e do tecido canceroso quando examinados sob o microscópio

O prognóstico é mais reservado para crianças com idade inferior a um ano ou aquelas que têm mais de dez anos de idade.

O risco da criança é considerado baixo, intermediário ou alto dependendo da sua combinação de fatores. Mais de 90% das crianças que são consideradas de baixo risco sobrevivem, porém menos de 50% das crianças que são consideradas de alto risco sobrevivem.

Tratamento

  • Cirurgia e quimioterapia
  • Às vezes, radioterapia

O tratamento consiste em cirurgia, quimioterapia e, às vezes, radioterapia. Durante a cirurgia, o câncer inteiro é removido, se possível.

Todas as crianças são tratadas com quimioterapia. Os medicamentos mais comumente usados são vincristina, dactinomicina, ciclofosfamida, doxorrubicina, ifosfamida e etoposídeo. Topotecano e irinotecano são outros medicamentos que também podem ser usados.

Radioterapia é normalmente usada, caso algum câncer permaneça após a cirurgia ou caso o câncer seja considerado de risco intermediário ou de alto risco.

Fonte: Por Renee Gresh, Nemours A.I. duPont Hospital for Children