Back

Hábitos noturnos aumentam as chances de ter doenças cardíacas

Hábitos noturnos aumentam as chances de ter doenças cardíacas

Embora a obesidade por si só possa aumentar o risco de doença cardíaca, uma nova pesquisa sugere que o risco de diabetes e de doença cardíaca é especialmente alto quando ela é combinada com a tendência de ficar acordado até tarde da noite.

O achado deriva de uma comparação entre padrões de sono e doença em 172 pessoas de meia‑idade como parte de um estudo em andamento de prevenção da obesidade na Itália.

“O ciclo sono-vigília é um dos ritmos comportamentais mais importantes em humanos”, disse a pesquisadora principal Dra. Giovanna Muscogiuri. Ela é professora adjunta da unidade de endocrinologia da Universidade de Nápoles Federico II, na Itália.

Para o estudo, sua equipe agrupou participantes de acordo com seus padrões de sono.

Quase seis em cada dez acordavam cedo, os chamados “madrugadores”. Essas pessoas costumam acordar e ser mais ativas no início do dia.

Notívagos 

Característica de quem caminha à noite ou possui uma rotina, hábitos ou costumes noturnos: quem não usa as noites para dormir é chamado de notívago.

Pessoa que possui essas características: animal notívago; É uma pessoa que admira a vida noturna; que prefere conviver à noite.

Estatística 

Cerca de 13% eram “notívagos” . Eles costumavam acordar tarde e ser mais ativos no final da tarde ou à noite.

O resto, cerca de três em cada dez, ficou em algum lugar entre os dois (o “tipo intermediário”).

Embora os participantes do estudo em todos os três grupos apresentassem IMCs semelhantes, os participantes notívagos eram mais propensos a fazer grandes refeições à noite e tinham outros hábitos não saudáveis, como tabagismo e sedentarismo. (O IMC, ou índice de massa corporal, é uma estimativa da gordura corporal com base na altura e no peso.)

E tudo isso os coloca em maior risco de problemas de saúde.

Doença cardíaca

O estudo observou que, embora 30% dos madrugadores tivessem doença cardíaca, esse número atingiu quase 55% entre os notívagos.

Enquanto isso, o risco de diabetes tipo 2 foi de cerca de 9% entre os madrugadores e de quase 37% entre os notívagos. Não houve diferença entre os madrugadores e os participantes que estavam na categoria do tipo intermediário.

Muscogiuri observou que estudos prévios estimaram que os notívagos apresentam um risco de hipertensão arterial e colesterol alto 1,3 vezes maior em comparação com os madrugadores. Eles também são menos propensos a seguir uma dieta mediterrânea saudável para o coração, que é rica em frutas, verduras e peixes.

Em conjunto, disse ela, todas essas características deixam os notívagos com maior risco de doença cardíaca e diabetes tipo 2.

Quanto à melhor maneira de combater isso, Muscogiuri sugeriu que os esforços para controlar a obesidade podem ser mais bem‑sucedidos, se os padrões de sono forem levados em consideração.

Então, a ideia, ela explicou, seria ajudar pacientes obesos a desenvolver melhores hábitos de sono-vigília com base no despertar cedo, porque os padrões de despertar cedo podem ajudar esses pacientes a desenvolver melhores hábitos alimentares e de atividade física e, assim, “aumentar a chance de sucesso na perda de peso”.

Mudança de Rotina

Infelizmente, fazer com que as pessoas mudem suas rotinas de sono, alimentação e atividade física não será fácil, alertou o cardiologista Dr. Kenneth Ellenbogen, da Medical College of Virginia, em Richmond.

“Sabemos como pode ser difícil redefinir o relógio biológico ou os hábitos de atividade física de um indivíduo”, disse ele. “E, embora esse seja sem dúvida um trabalho fascinante, é realmente difícil saber o que está acontecendo de fato em um estudo observacional envolvendo um número relativamente pequeno de pacientes.”

Ellenbogen observou, por exemplo, que não está claro se “dormir até mais tarde” é uma causa direta do aumento do risco de diabetes tipo 2 ou de doença cardíaca, ou se é o estilo de vida associado ao dormir até mais tarde, que aumenta indiretamente o risco.

Já a equipe de Muscogiuri apresentou os achados, na reunião virtual do Congresso Europeu de Obesidade. Pesquisas apresentadas em reuniões devem ser consideradas preliminares até a sua publicação em periódico revisado por colegas.

Se este é o seu caso, você precisa de um acompanhamento de uma nutricionista para te ajudar com esses hábitos noturnos e começar uma nova rotina, com mudanças de hábitos saudáveis.

 

FONTES: Dra. Giovanna Muscogiuri, PhD, professora adjunta, unidade de endocrinologia, Universidade de Nápoles Federico II, Itália; Dr. Kenneth Ellenbogen, presidente, divisão de cardiologia, Virgínia Commonwealth University Heart Center, e diretor, eletrofisiologia e ritmo cardíacos clínicos, Medical College of Virginia, Richmond; apresentação, Congresso Europeu de Obesidade, 12 de maio de 2021, on‑line. Traduzido por Momento Saúde