Back

O que é e como tratar a Hepatite?

O que é e como tratar a Hepatite?

O que são hepatites virais?

As hepatites virais são um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, que são uma infecção que atinge o fígado, causando alterações morfológicas que variam de moderadas a graves. Em inúmeros casos, a doença pode ser silenciosa e não apresentar qualquer sintoma, o que apresenta um grande risco ao paciente. Já quando o desconforto aparece, ele se manifesta especialmente como cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Em nosso país, as principais hepatites virais são as dos tipos A, B e C. Existem também, com menor frequência, a hepatite D – mais comum na região Norte do país – e a hepatite E, pouco frequente no Brasil, sendo mais encontrada na África e na Ásia.

É importante estarmos atentos às infecções causadas pelas hepatites B e C, conhecidas por se tornarem crônicas. O avanço desses vírus compromete o fígado e podem causar fibrose avançada ou cirrose, fatores que podem levar ao desenvolvimento de câncer e à necessidade de transplante do órgão. O impacto dessas infecções acarreta aproximadamente 1,4 milhões de mortes anualmente no mundo.

Há testes rápidos disponíveis no SUS para detectar gratuitamente a infeção pelos vírus B ou C, sendo indicado que minimamente todas as pessoas com mais de 45 anos realizem o teste e, em caso positivo, iniciem o tratamento de forma imediata.

Apesar da hepatite tipo B não ter cura, há uma vacina contra ela, ofertada nas Unidades Básicas de Saúde. Quanto à hepatite C, há medicações que permitem sua cura, se o tratamento for realizado de forma correta e fiel ao descrito pelo médico.

Quais são os tipos da doença?

A hepatite tem diversas causas, por isso, ela é classificada em alguns tipos, de acordo com o vírus transmissor. São 5 os tipos mais comuns de hepatites virais: A, B, C, D e E. Conheça um pouco sobre cada um deles:

Hepatite A

É a que tem o maior número de casos, sendo diretamente relacionada às condições de saneamento básico e de higiene. É uma infecção leve, que ‘se cura sozinha’ e de sintomas amenos, como o escurecimento das urinas e fezes, amarelamento da pele e dos olhos, febre, náuseas e vômitos.

Não há um tratamento específico para esse tipo de hepatite. O que é comumente indicado é que o paciente repouse, tenha uma boa alimentação, consuma bastante líquido e evite o uso de medicamentos que prejudiquem o fígado.

 

Hepatite B

Considerada uma DST – doença sexualmente transmissível, este é o segundo tipo com maior incidência, que atinge os pacientes especialmente por  transmissão sexual ou contato sanguíneo. A melhor forma de prevenção para a hepatite B é a vacina, assim como o uso do preservativo ou camisinha.

Os sintomas são considerados leves, tais como cansaço, tontura, dor abdominal, pele e olhos amarelados. O tratamento para esse tipo inclui medicamentos antivirais, a serem receitados pelo médico.

Hepatite C

É a de maior grau de gravidade e que, portanto, deve ter uma atenção especial. Transmitida através do contato com sangue contaminado ou por vias sexuais, a hepatite C é considerada a maior epidemia da humanidade hoje, cinco vezes superior à AIDS/HIV, sendo a principal causa de transplantes de fígado. A doença ainda pode causar cirrose, câncer de fígado e morte.

Ao contrário dos demais vírus que causam hepatite, o vírus da hepatite C não gera uma resposta imunológica adequada no organismo, o que faz com que a infecção aguda seja menos sintomática, mas também com que a maioria das pessoas que se infectam se tornem portadores de hepatite crônica, com consequências a longo prazo, que surgem com o passar dos anos.

O tratamento para a hepatite C deve ser realizado de forma personalizada, de acordo com o que for indicado pelo hepatologista ou infectologista. Há uma meta global de eliminar a hepatite C como um problema de saúde pública até 2030, e o Brasil está comprometido com esse objetivo.

 

Hepatite D

Também conhecida como delta, é causada pelo vírus HDV e ocorre somente entre os pacientes portadores da hepatite B. Desse modo, a vacinação contra a hepatite B também acaba sendo uma forma de proteger as pessoas de uma infecção com a hepatite D.

Os principais sintomas são tontura, cansaço, enjoo, febre e dor abdominal. O tratamento é realizado como para a hepatite B.

 

Hepatite E

Esse tipo de hepatite viral é transmitida por via digestiva, sendo que o contágio acontece através de alimentos, em uma transmissão fecal-oral, o que gera pandemias em algumas regiões do mundo. Pouco frequente no Brasil, ela também pode ser transmitida por meio do contato com sangue contaminado ou de mãe para filho, durante a gestação.

Dentre os sintomas, destacam-se dor no abdômen, cansaço, vômito e amarelamento dos olhos, que aparecem após o 15º dia da infecção pelo vírus.

O tratamento para esse tipo de hepatite é solucionado pelo próprio organismo, sem a necessidade do consumo de qualquer tipo de medicamento. Indica-se o repouso, uma boa alimentação e alta ingestão de líquidos.

A hepatite E não tem dados de prevalência significativos no Brasil, mas é muito comum na Ásia e África. (Fonte: Ministério da Saúde)

Estatística

Hepatite no Brasil

De 1999 a 2020, foram notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) 689.933 casos de hepatites virais no Brasil. Destes, 168.579 (24,4%) são referentes a hepatite A, 254.389 (36,9%) de hepatite B, 262.815 (38,1%) de hepatite C e 4.150 (0,6%) de hepatite D.

Confira os principais fatores de riscos

Existem diversos fatores de riscos que podem causar a hepatite, é possível destacar alguns deles, sendo:

  • Consumir água e alimentos contaminados;
  • Praticar relações sexuais sem proteção;
  • Utilizar materiais cirúrgicos contaminados;
  • Compartilhar escova de dentes, alicates de unhas e outros itens de higiene pessoal;
  • Uso abusivo de álcool e medicamentos;
  • Não ser vacinado contra hepatites A e B;
  • Compartilhar agulhas para o uso de drogas injetáveis.

A cura e a importância do diagnóstico precoce

Realize check-ups de saúde frequentemente, pois a principal maneira de se identificar a presença da hepatite no organismo é através de exames de sangue. Desse modo, de forma rápida, é possível iniciar o tratamento precocemente, no estágio inicial da doença, antes que ela evolua para quadros mais graves, como cirrose, câncer de fígado ou transplante do órgão.

Para prevenir a hepatite, é necessário adotar hábitos de higiene, não compartilhar objetos de uso pessoalnão ter relações sexuais sem proteção, reduzir o consumo excessivo de álcool e tomar cuidado com a ingestão de algumas medicações prejudiciais ao fígado.

A boa notícia é que hepatite pode ter cura caso o tratamento seja realizado da forma correta! Ao contrário, ela pode levar a sérias complicações e até a óbito. Por isso, em caso de suspeita, procure um médico imediatamente.

 

Fontes de pesquisa:

https://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2020/July/28/07—Boletim-Hepatites-2020–vers–o-para-internet.pdf
http://www.aids.gov.br/hepatites

Julho Amarelo é o mês de luta contra as hepatites virais


https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-07/saude-divulga-dados-atualizados-sobre-hepatites-no-brasil