Back

Doença de Alzheimer: uma visão geral

Doença de Alzheimer: uma visão geral

A doença de Alzheimer é como um ladrão de gatos. Ele entra na vida de uma pessoa sem fazer barulho, e logo os bens preciosos começam a desaparecer: memória, personalidade, independência.

Por muitos anos, mesmo os principais detetives médicos do país ficaram perplexos com esse roubo. Os médicos sabiam que os cérebros das pessoas com Alzheimer estavam cheios de fios emaranhados de proteínas e aglomerados pegajosos de placa, mas ninguém tinha ideia de onde vinha essa desordem. Pior ainda, ninguém sabia como ajudar as vítimas. Nos velhos tempos , que não faz muito tempo as pessoas com Alzheimer eram freqüentemente trancadas em asilos e controladas com sedativos pesados.

O mal de Alzheimer ainda é uma condição terrível e devastadora, mas a perspectiva para os pacientes e suas famílias é um pouco mais brilhante do que antes. Graças a uma nova compreensão das emoções e necessidades dos pacientes de Alzheimer, as famílias podem recorrer a muitas técnicas comprovadas para manter os entes queridos confortáveis. Com apoio, a maioria dos pacientes pode enfrentar a doença por muitos anos antes de ter que se mudar para uma casa de repouso; alguns conseguem ficar com suas famílias até o fim.

Avanços médicos recentes oferecem ainda mais motivos para esperança. Os pesquisadores têm uma compreensão melhor de como o Alzheimer mata as células cerebrais, e cada nova percepção os aproxima de encontrar uma cura para a terrível aflição.

Depois de um trabalho árduo de pesquisas já temos avanços, os médicos agora podem prescrever medicamentos para desacelerar a doença, e estudos em grande escala estão testando novos tratamentos promissores. Os cientistas estão analisando de tudo, desde açafrão-da-índia, exercícios, fatores de crescimento dos nervos e vitaminas antioxidantes, como possíveis elementos para proteger ou retardar a progressão da doença.

Fatores de risco

Na verdade, a necessidade de uma cura nunca foi maior. Alzheimer é a sexta principal causa de morte nos Estados Unidos: mais de 5 milhões de americanos sofrem de Alzheimer, e esse número pode crescer dramaticamente com o envelhecimento da nação.

Nos Estados Unidos, a doença também envolve 15 milhões de cuidadores não remunerados, que dedicam mais de 18,2 bilhões de horas de cuidados não remunerados no valor de US $ 230 bilhões em custos anuais. Se não puder ser interrompido, espera-se que entre 11 e 16 milhões de pessoas com mais de 65 anos convivam com a doença em 2050. Bill Thies, vice-presidente de assuntos médicos e científicos da Associação de Alzheimer, afirma: “O que nós que enfrentamos é uma epidemia de grandes proporções. ”

No Brasil o número de casos de demência, que correspondem a 55 mil novos diagnósticos por ano, deve alcançar 1,6 milhão de pessoas com mais de 65 anos em 2020. E vão afetar cerca de um quarto da população brasileira com mais de 80 anos daqui a três anos, segundo previsão de pesquisadores da Universidade do Porto (Portugal) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

“Quanto mais tempo vivemos, maior a probabilidade de apresentarmos um estado de demência”, explica o diretor da Unidade de Cardiogeriatria do Instituto do Coração (Incor) e professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Wilson Jacob Filho. A chance de ter Alzheimer, por exemplo, que aos 60 anos é de 1%, chega a ultrapassar os 20% após os 90.

Atualmente, é impossível dizer quem desenvolverá Alzheimer e quem será poupado. O avanço da idade é um dos fatores mais significativos. De acordo com a Associação de Alzheimer, as chances de desenvolver Alzheimer dobram a cada cinco anos após os 65 anos. Após os 85, o risco chega a quase 50%.

Além disso, algumas pessoas herdam genes que as tornam vulneráveis ​​à doença. Pessoas que têm pai, irmão ou irmã com a doença têm maior probabilidade de desenvolver Alzheimer. Outros possíveis fatores de risco incluem ferimentos graves na cabeça, excesso de peso (especialmente em torno do meio) e armazenamento de muita gordura abdominal e condições que danificam o coração ou vasos sanguíneos (como doenças cardíacas, derrame, diabetes, hipertensão e hipertensão colesterol).

 

Lidando com Alzheimer

O primeiro passo para lidar com a doença de Alzheimer é saber o que esperar. Cada caso é diferente, mas a doença tende a seguir uma previsível espiral descendente.

No primeiro estágio, que pode durar de dois a quatro anos, o Alzheimer é sutil e facilmente esquecido. No início, as pessoas podem ter dificuldade em inventar nomes de conhecidos ou de objetos comuns como pão ou açúcar. Eles podem colocar chaves ou um ferro em lugares estranhos, como a geladeira, e não conseguir se lembrar como chegaram lá. Amigos e parentes podem notar pequenas mudanças no humor, talvez uma perda de interesse nas atividades favoritas ou níveis anormalmente altos de ansiedade.

Mais tarde, a doença começará a interferir ainda mais na vida cotidiana. As pessoas podem começar a perder coisas regularmente e a cometer erros incomuns em casa ou no trabalho. Logo, tarefas desfeitas, contas não pagas e compromissos perdidos começam a se acumular. O paciente pode notar um problema, mas pode negar que algo esteja errado. No entanto, com o apoio familiar e médico, o estágio inicial do Alzheimer pode ser um período mais rico do que muitas pessoas imaginam.

No estágio intermediário da doença,  que pode durar sete ou mais anos  a perda de memória e a confusão começam a ocorrer. Os pacientes podem começar a ter problemas para se lembrar dos eventos do dia anterior. Eles podem fazer a mesma pergunta repetidamente, nunca registrando a resposta. Eles podem vagar pela casa no meio da noite ou pedir por um dos pais que morreu há décadas. Tarefas simples como cozinhar, lavar roupa, tomar banho e até comer sem ajuda tornam-se impossíveis. Muitos pacientes perdem algum controle sobre a bexiga durante esse estágio.

No último estágio do Alzheimer, as perdas são maiores. Alguém com Alzheimer pode não reconhecer ninguém, nem mesmo seu próprio rosto no espelho. Eles precisarão de ajuda até para as tarefas mais simples, como pentear o cabelo. Eventualmente, eles serão incapazes de andar ou falar. A média de vida de alguém com Alzheimer é de 8 anos a partir do momento em que os primeiros sintomas aparecem, embora algumas pessoas possam viver até 20 anos com a doença. Mesmo nesse estágio, porém, os pacientes de Alzheimer ainda respondem à gentileza e ao amor.

 

A ciência médica revida

Em cada estágio, o Alzheimer representa enormes desafios para os membros da família. E, em cada estágio, os membros da família podem enfrentar esses desafios com paciência e compaixão. Muitos recursos excelentes, incluindo a associação nacional de Alzheimer, grupos de apoio a cuidadores e livros sobre o Alzheimer, ajudam os cuidadores a compreender a doença e apoiar seus entes queridos.

Conforme o Alzheimer progride, um médico de família atencioso será um aliado inestimável. Primeiro, ele pode determinar se o diagnóstico é mais provável de ser de Alzheimer, em vez de alguma das outras condições que causam demência ou sintomas semelhantes à demência. Além de aconselhar e orientar, ele pode prescrever medicamentos para retardar o declínio do paciente ou, se necessário, para aliviar sua depressão ou ansiedade.

Por exemplo, os inibidores da colinesterase previnem a quebra de um mensageiro químico importante para o aprendizado e a memória. Em média, cerca de metade dos pacientes que tomam esses medicamentos conseguem retardar o agravamento dos sintomas por 6 a 12 meses.

Os inibidores da colinesterase mais comumente prescritos são galantamina (Razadyne), donepezil (Aricept) e rivastigmina (Exelon). Para pacientes com Alzheimer moderado a grave, o medicamento memantina (Namenda) é aprovado pelo FDA para retardar a progressão da doença em pacientes em estágio avançado. Os médicos também prescrevem Aricept para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

No entanto, esses medicamentos não funcionam para todas as pessoas e podem causar efeitos colaterais significativos. Eles requerem acompanhamento de um médico. Infelizmente, mesmo as modestas melhorias trazidas pelas drogas não duram e, na maioria dos casos, o Alzheimer eventualmente continua sua marcha implacável.

No futuro, os pacientes e suas famílias poderão adquirir um tempo precioso com os produtos que já estão em seu armário de remédios. Estudos recentes descobriram que a ingestão de ácido fólico por meio de suplementos e dietas pode ajudar a evitar o Alzheimer, e pelo menos um estudo sugere que, em cérebros de camundongos, a cúrcuma pode retardar o acúmulo de fragmentos de proteína conhecidos como beta amilóides, considerados essenciais para o desenvolvimento de Alzheimer.

Na verdade, pesquisadores do Instituto de Neurociência e Medicina em Jülich, Alemanha, descobriram que um composto de cúrcuma promove a proliferação e diferenciação de células-tronco no cérebro, o que pode ajudar pacientes que sofrem de derrame e doença de Alzheimer.

Mas alguns suplementos tidos como benéficos para retardar a progressão da demência podem interagir com outros medicamentos ou tratamentos, portanto, não tente nenhuma terapia sem a supervisão do seu médico.

Até mesmo levar seu ente querido para uma caminhada diária pode ajudar a bloquear a doença. Cientistas da Universidade de Pittsburgh fizeram um estudo que sugere que caminhar cerca de cinco milhas por semana pode ajudar a desacelerar a progressão da doença de Alzheimer e uma condição chamada deficiência cognitiva leve, que geralmente precede a DA.

Todas essas terapias e descobertas são avanços importantes, mas alguns podem um dia parecer tão rudes quanto o uso excessivo de sanguessugas medicinais. Novas descobertas estão constantemente alimentando a esperança de que Alzheimer um dia se torne tão tratável quanto hipertensão ou diabetes.

Os pesquisadores estão aprendendo mais sobre as mudanças que ocorrem no cérebro de um paciente com Alzheimer, usando a tecnologia de imagens cerebrais, como a ressonância magnética (MRI) e a tomografia por emissão de pósitrons (PET). Essas técnicas, junto com certos marcadores biológicos e o refinamento de testes de memória e habilidades de linguagem, podem ajudar os pesquisadores a identificar melhor as pessoas em risco de Alzheimer. Eles também podem tornar mais fácil para os médicos identificarem como os diferentes tratamentos estão funcionando.

À medida que os pesquisadores continuam a desvendar os diferentes genes, proteínas e enzimas que impulsionam o Alzheimer, falar em uma cura não parece mais forçado. Por enquanto, ninguém sabe como ou quando o Alzheimer será finalmente derrotado. Mas uma coisa é certa: essa vitória nunca pode vir tão cedo.

Fonte: Tratamento medicamentoso promissor para Alzheimer encontrado no composto de açafrão. Notícias médicas  (estudo publicado na Stem Cell Research and Treatment). Traduzido por Momento Saúde