Back

Remédio para pressão prejudica o sono

Remédio para pressão prejudica o sono

Milhões de pessoas tomam remédio para a pressão regularmente e um novo estudo traz boas notícias: Os medicamentos não aumentarão o risco de depressão.

O que são os betabloqueadores

Os betabloqueadores são utilizados para tratar quadros clínicos como insuficiência cardíaca, dores torácicas, hipertensão arterial e ritmo cardíaco anormal. Mas há muito se suspeita que os medicamentos possam estar ligados à depressão, ansiedade, sonolência, insônia, alucinações e pesadelos.

Estudo sobre os betabloqueadores

O novo estudo alemão envolveu mais de 50.000 pessoas. Ele não encontrou nenhuma conexão entre betabloqueadores e problemas de saúde mental, embora houvesse uma sugestão de que os medicamentos pudessem interferir no sono.

“Não encontramos indicação de associação entre o uso de betabloqueadores e depressão”, disse o autor supervisor do estudo, Dr. Reinhold Kreutz. Ele é professor do Instituto de Farmacologia e Toxicologia Clínicas do Instituto de Saúde de Berlim.

“O mesmo foi verdadeiro para a maioria dos outros sintomas de saúde mental, conforme relatado nos estudos que foram incluídos em nossas análises”, acrescentou Kreutz. “No entanto, sintomas relacionados ao sono, como sonhos incomuns ou insônia, surgiram durante a terapia com betabloqueadores em alguns pacientes.”

O Dr. Michael Goyfman dirige a cardiologia clínica em Long Island Jewish Forest Hills, na cidade de Nova York. Ele não estava envolvido no estudo, mas o chamou de “especialmente convincente, uma vez que os autores utilizaram apenas estudos controlados duplo-cegos e randomizados”.

Ao contrário dos estudos retrospectivos, esses tipos de estudos são projetados para provar uma relação de causa e efeito.

Resultado do teste

“Como resultado deste estudo, os médicos podem se sentir mais confortáveis em continuar o uso de betabloqueadores em pacientes que desenvolvem eventos adversos psiquiátricos, e podem encaminhar esses pacientes para tratamento psiquiátrico sem necessariamente descontinuar os betabloqueadores”, disse Goyfman.

Em sua análise de dados, o grupo de Kreutz analisou os resultados de mais de 50.000 pessoas que participaram de um total de 258 estudos envolvendo betabloqueadores. Cerca de 70% dos estudos foram ensaios clínicos randomizados que se concentraram no tratamento da hipertensão arterial e 31 avaliaram a depressão em estudos controlados por placebo.

Embora a depressão tenha sido o efeito colateral de saúde mental mais frequentemente relatado nos estudos, ela não foi mais comum entre os pacientes que tomaram betabloqueadores em comparação com os que tomaram placebos.

A equipe observou que o motivo de saúde mental mais comum para a descontinuação de betabloqueadores foi fadiga/cansaço. As taxas de descontinuação do uso do medicamento devido à depressão não foram maiores entre aqueles que tomaram betabloqueadores em comparação com aqueles em outros tratamentos.

De acordo com o estudo publicado em 15 de março no periódico Hypertension, sonhos incomuns, insônia e distúrbios do sono podem, no entanto, estar ligados a betabloqueadores.

Efeitos colaterais

“Os possíveis efeitos colaterais de saúde mental dos betabloqueadores têm sido objeto de discussão da comunidade científica por muitas décadas”, disse Kreutz em um comunicado à imprensa do periódico. No entanto, ele acrescentou que “nossos resultados indicam que as preocupações com eventos adversos de saúde mental, especialmente depressão, não devem afetar a decisão sobre os betabloqueadores. Os betabloqueadores são majoritariamente seguros em relação à saúde psicológica.”

A Dra. Aeshita Dwivedi é cardiologista no Hospital Lenox Hill, também na cidade de Nova York. Ao ler os achados, ela concordou que eles “acrescentam à nossa compreensão sobre os efeitos colaterais relacionados a um medicamento importante utilizado para doenças cardíacas”.

Mas para Dwivedi, o resultado principal é que os “benefícios e efeitos colaterais dos betabloqueadores devem ser cuidadosamente ponderados e individualizados para cada paciente”.

Mais informações

A Heart & Stroke Foundation tem mais informações sobre betabloqueadores traduzido por Momento Saúde

FONTES: Dr. Michael Goyfman, diretor, cardiologia clínica, Long Island Jewish Forest Hills, cidade de Nova York; Dra. Aeshita Dwivedi, cardiologista, Hospital Lenox Hill, cidade de Nova York; Hypertension, comunicado à imprensa, 15 de março de 2021 traduzido por Momento Saúde