Back

Você “engole” sua comida? As pessoas que comem rápido podem ganhar mais quilos

Você “engole” sua comida? As pessoas que comem rápido podem ganhar mais quilos

Você é do tipo que demora para fazer uma refeição ou tende a comer rapidamente sem pensar muito?

Uma nova pesquisa confirma que é melhor você seguir a rota lenta, porque quem come rápido tende a consumir mais e está mais vulnerável a ganhar peso e se tornar obeso. E ela revela um novo detalhe: Se você cresceu com irmãos, onde provavelmente teve que competir pelo que estava na mesa, é mais provável que você coma rápido.

Comer rápido leva você a comer mais porque leva um pouco de tempo para o seu corpo reconhecer que você está começando a se sentir satisfeito, explicou Connie Diekman, nutricionista registrada em St. Louis e ex‑presidente da Academia de Nutrição e Dietética.

“Não reconhecemos essa sensação de saciedade imediatamente porque o corpo está programado para sentir: ‘Eu preciso comer, eu comi o suficiente, para de comer’”, disse Diekman. “Se não permitirmos que isso aconteça porque estamos comendo muito rápido, tendemos a acabar comendo demais.”

As pessoas que comem rápido podem ter aprendido o hábito quando eram crianças; então, os pesquisadores da Universidade de Roehampton e da Universidade de Bristol, no Reino Unido, procuraram determinar se ter irmãos pode influenciar a velocidade de alguém se alimentar.

Embora os achados, publicados on‑line recentemente no periódico Clinical Obesity, fossem um pouco confusos, eles mostraram que crianças com irmãos apresentaram uma probabilidade maior de ter uma taxa de alimentação mais rápida.

Há algumas razões pelas quais a presença ou ausência de irmãos pode influenciar a taxa de alimentação, de acordo com o coautor do estudo Leigh Gibson, pesquisador do departamento de psicologia da Universidade de Roehampton, em Londres.

A conexão entre a alimentação rápida e ter irmãos “pode ser devido à competição por comida nas refeições, seja real ou imaginária, ou até mesmo um desejo de terminar logo uma refeição para poder voltar a brincar com os irmãos”, disse Gibson. “Além disso, a presença de irmãos em uma refeição poderia distrair do foco em comer, o que poderia levar a uma taxa de alimentação mais rápida.”

Seja qual for o motivo, não parece ser motivo de preocupação, pois estudos prévios descobriram que pessoas sem irmãos parecem ser mais vulneráveis à obesidade do que pessoas com irmãos.

“Parece que a alimentação mais rápida induzida por irmãos provavelmente não promove uma alimentação excessiva de longo prazo, considerando outras evidências de que filhos únicos apresentam um risco maior de sobrepeso ou obesidade em comparação com aqueles com irmãos”, disse Gibson. “No balanço geral, comer mais rápido pode ser um risco para ganho de peso e obesidade, mas a influência dos irmãos provavelmente não é um fator mediador. Talvez o “efeito dos irmãos” não resulte diretamente em refeições maiores, apenas refeições mais rápidas.”

Diekman, que não estava envolvida na nova pesquisa, observou que o estudo conclui que mais pesquisas são necessárias sobre a associação. A conclusão não é: “Se você tiver muitos filhos, observe como eles comem porque isso pode afetá-los e eles podem comer rápido demais”, disse Diekman. “Não tenho certeza se já estamos lá.”

Para chegar aos resultados, Gibson e seus colegas conduziram dois estudos. O primeiro estudo envolveu mais de 100 crianças com idades entre 5 e 11 anos e comparou a taxa de alimentação das crianças (conforme relatado pelos pais) com o respetivo índice de massa corporal, o número de irmãos que tinham e onde estavam na ordem de nascimentos da família. O segundo estudo analisou mais de 800 adultos e crianças e coletou informações semelhantes, mas a taxa de alimentação neste estudo foi autorrelatada.

Curiosamente, até mesmo os adultos que cresceram com irmãos pareciam levar o hábito de comer rapidamente até a idade adulta, sugerindo que é um comportamento persistente.

“Muitos dizem que a sociedade faz isso com os adultos: comida de drive-thru, comer rapidamente no trabalho porque você tem que voltar à sua mesa, todas essas coisas”, disse Diekman. Este estudo pode fazer com que as pessoas reflitam mais sobre os almoços de 15 minutos que algumas crianças têm na escola porque eles “podem estar preparando elas para o hábito de comer rápido”, observou ela.

Diekman acrescentou que ela, muitas vezes, aconselha os pacientes a tentar diminuir a velocidade de alimentação como parte de suas metas de perda de peso. Ela disse que o segredo é prestar atenção à comida que você está comendo.

“Precisamos olhar para a comida porque isso começa o processo de ‘Ah, isso vai me satisfazer. Vou gostar disso’”, disse Diekman. “Precisamos cheirar a comida, porque isso começa a acionar o ‘Ah, isso vai ser bom.’ E então, na boca, precisamos mastigar para que tenhamos a sensação de ‘estou enchendo meu corpo’. Isso nos ajudará a comer mais lentamente e, portanto, a consumir menos.”

Se esse é o seu caso está na hora de agendar uma consulta com uma nutricionista e resolver esse problema!! Agende já sua consulta online!

http://hospitalconsultaonline.com/home

FONTES: Leigh Gibson, BSc, PhD, pesquisador, departamento de psicologia, Universidade de Roehampton, Londres, Reino Unido; Connie Diekman, MEd, RD, consultora de alimentos e nutrição, St. Louis, Missouri; Clinical Obesity, 12 de janeiro de 2021, on-line traduzido por Momento Saúde