Últimas notícias:

Fibromialgia

Na fibromialgia, quaisquer tecidos fibromusculares podem ser envolvidos, especialmente aqueles do occipício, pescoço, ombros, tórax, região lombar e coxas. Não há anormalidade histológica específica. Os sinais e sintomas da fibromialgia são generalizados, ao contrário da dor e sensibilidade localizada de tecidos moles (síndrome da dor miofascial), que costuma estar relacionada com uso excessivo ou microtrauma.

A fibromialgia é comum, ocorrendo 7 vezes mais em mulheres, geralmente jovens ou de meia-idade, do que em homens, crianças ou adolescentes. Em virtude da diferença entre os sexos, às vezes ela é não é percebida em homens. Frequentemente ocorre em pacientes com outras doenças reumáticas sistêmicas concomitantes não relacionadas, complicando assim o diagnóstico e o tratamento.


Sinais e sintomas da fibromialgia

Rigidez e dor na fibromialgia começam com frequência gradual, difusamente e com qualidade dolorosa. A dor é disseminada e pode piorar com fadiga, esforço muscular ou uso excessivo.

Os pacientes geralmente têm vários sintomas somáticos. A fadiga é comum, assim como os distúrbios cognitivos, como dificuldade de concentração e uma sensação geral de confusão mental. Muitos pacientes também apresentam sintomas da síndrome do intestino irritávelcistite intersticialenxaqueca . Parestesias podem estar presentes, geralmente bilateralmente e muitas vezes migratórias.

Os sintomas podem ser exacerbados por estresse ambiental ou emocional, transtorno do sono, trauma, exposição à umidade ou ao frio, ou por um médico, familiar ou amigo que transmita para o paciente a mensagem incorreta de que “isso é coisa da sua cabeça”.

Os pacientes tendem a estar estressados, tensos, ansiosos, fatigados e, em alguns casos, depressivos. Não é incomum que os pacientes sejam perfeccionistas de alto desempenho.

Exame físico é inexpressivo, exceto que áreas específicas e esparsas do músculo (pontos de sensibilidade) frequentemente são dolorosas à palpação. As áreas sensíveis não apresentam edema, eritema ou calor; esses achados devem sugerir outro diagnóstico.

Diagnóstico da fibromialgia

  • Critérios clínicos
  • Geralmente, exames laboratoriais e de imagem e um exame físico detalhado para excluir outros distúrbios

A fibromialgia é suspeita em pacientes com:

  • Dor e sensibilidade generalizadas, especialmente desproporcionais aos achados físicos
  • Resultados laboratoriais negativos, apesar dos sintomas difusos
  • Fadiga como sintoma predominante

Deve-se considerar o diagnóstico de fibromialgia para pessoas com tiveram dor generalizada durante pelo menos 3 meses, particularmente quando acompanhada de vários sintomas somáticos. Considera-se a dor como generalizada quando os pacientes têm dor no lado esquerdo e direito do corpo, acima e abaixo da cintura, e no esqueleto axial (coluna cervical, caixa torácica ou região lombar).

O diagnóstico baseia-se nos critérios clínicos, que incluem uma combinação de dor articular ou não articular (às vezes, incluindo dor disseminada por todo o corpo) e a presença de vários outros sintomas cognitivos e somáticos, como os listados acima, que são classificados em termos de gravidade. Critérios anteriores contavam com a presença de sensibilidades em alguns dos 18 pontos específicos. Esse critério foi eliminado porque os não especialistas às vezes têm dificuldade em avaliar consistentemente a sensibilidade, os pontos dolorosos podem flutuar em intensidade e foi considerado vantajoso ter critérios inteiramente baseados em sintomas. No entanto, a dor à palpação é bastante comum e alguns especialistas continuam a avaliá-la sistematicamente.

Os exames para avaliar outras causas para os sintomas do paciente devem ser velocidade de hemossedimentação (velocidade de sedimentação das hemácias) ou proteína C reativa, reatinoquinase (CK) e, provavelmente, história de hipotireoidismo e hepatite C (que pode causar fadiga e mialgia generalizada). Em geral, a fibromialgia não causa anormalidades nesses testes. Outros exames (p. ex., sorologias para doenças reumáticas) devem ser feitos somente se indicados por achados na história e/ou exame físico.

Para evitar possíveis problemas, os médicos devem considerar o seguinte:

  • A fibromialgia, com frequência, não é percebida em homens, crianças e adolescentes.
  • síndrome da fadiga crônica (distúrbio de intolerância ao esforço sistêmico) pode causar fadiga e mialgia generalizada semelhantes; tipicamente, os resultados dos exames laboratoriais são normais.
  • polimialgia reumática causa mialgia mais focalizada, sobretudo em idosos; pode-se diferenciá-la da fibromialgia porque tende a acometer seletivamente os músculos proximais, é mais sintomática de manhã e geralmente é acompanhada de aumento da VHS e dos níveis de proteína Chartreuse;’>Nos pacientes com distúrbios reumáticos sistêmicos, o diagnóstico de fibromialgia concomitante pode ser difícil, mas é bem comum. Por exemplo, a fibromialgia pode ser mal interpretada como uma exacerbação da artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico.
Referência sobre diagnóstico
  • 1. Wolfe F, Clauw DJ, Fitzcharles MA, et al: 2016 revisions to the 2010/2011 fibromyalgia diagnostic criteria. Semin Arthritis Rheum 46(3):319–329, 2016. doi: 10.1016/j.semarthrit.2016.08.012.
  • Por Deepan S. Dalal, MD, MPH, Brown University traduzido Por Momento Saúde.

Pesquisar

Advogados

Podcast

Categorias

Newsletter