Últimas notícias:

Câncer vaginal

O câncer vaginal é geralmente um carcinoma de células escamosas, que ocorre com mais frequência em mulheres com > 60 anos. O sintoma mais comum é um sangramento vaginal anormal. O diagnóstico é por biópsia.

O tratamento para muitos desses pequenos cânceres localizados é a histerectomia seguida de vaginectomia e dissecação dos linfonodos; para a maioria dos casos a radioterapia é usada.

Osfatores de risco para câncer vaginal incluem

A maioria dos cânceres vaginais é causada por infecção persistente por papilomavírus humano (HPV). A exposição ao dietilestilbestrol in utero predispõe ao adenocarcinoma de células claras na vagina (mesonefroma), o que é raro; a média etária de diagnóstico é 19 anos.

A maioria dos cânceres vaginais primários (95%) são carcinoma de células escamosas; outros incluem adenocarcinomas primário e secundário, carcinoma secundário de células escamosas (em mulheres idosas), adenocarcinomas de células claras (em mulheres jovens) e melanomas. O sarcoma vaginal mais comum é o rabdomiossarcoma embrionário, com pico de incidência aos 3 anos.

A maior parte dos cânceres vaginais ocorre no terço superior da parede vaginal posterior. Eles se disseminam como a seguir:

  • Por extensão direta (nos tecidos paravaginais locais, bexiga ou reto)
  • Pelos linfonodos inguinais por lesões na vagina inferior
  • Pelos linfonodos pélvicos por lesões na parte superior da vagina
  • Hematologicamente

Sinais e sintomas do câncer vaginal

A maioria das pacientes com câncer vaginal apresenta sangramento vaginal intermenstrual anormal, muitas vezes na pós-menopausa ou no pós-coito. Outras também apresentam secreções vaginais aquosas ou dispareunia. Algumas pacientes são assintomáticas, e a lesão é descoberta durante exame ginecológico de rotina ou avaliação de um teste de Papanicolau anormal.

Fístulas vesicovaginais ou retovaginais são manifestações da doença em estádio avançado.

Diagnóstico do câncer vaginal

  • Biópsia

A biópsia geralmente é diagnóstica, porém uma excisão mais ampla do local ocasionalmente é necessária.

Cânceres vaginais são estadiados clinicamente, com base primariamente em exames físicos, endoscopia (cistoscopia, proctoscopia), radiografia de tórax (para metástases pulmonares) e, com frequência, TC (para metástases pélvicas ou abdominais). Os índices de sobrevida dependem do estádio.

Tratamento do câncer vaginal

  • Histerectomia, vaginectomia e dissecção de linfonodos e, às vezes, radioterapia para tumores em estágio I confinados à parede do terço vaginal superior
  • Radioterapia para a maioria dos demais tumores

Tumores em estádio I dentro do terço superior da vagina podem ser tratados com histerectomia radical, vaginectomia superior e linfonodectomia pélvica, às vezes seguida por radioterapia.

A maioria dos outros tumores primários é tratada com radioterapia, normalmente uma combinação de radioterapia com feixe externo e braquiterapia. Se a radioterapia for contraindicada devido a fístulas vesicovaginais ou retovaginais, efetua-se exenteração pélvica.

Pontos-chave

  • A causa do câncer vaginal é a infecção por HPV ou a exposição intrauterina ao dietilestilbestrol.
  • Os fatores de risco são pré-câncer ou câncer cervical ou vulvar.
  • A maioria das pacientes apresenta sangramento vaginal anormal.
  • Em geral, diagnosticar com biópsia; excisão local ampla às vezes é necessária.
  • Tratar tumores confinados à parede do terço superior da vagina com histerectomia mais vaginectomia e dissecção de linfonodos, às vezes seguidas por radioterapia, e tratar a maioria dos outros tumores com radioterapia.

Fonte: Por Pedro T. Ramirez , MD, The University of Texas MD Anderson Cancer Center;
Gloria Salvo , MD Anderson Cancer Center Traduzido por Momento Saúde

Pesquisar

Advogados

Podcast

Categorias

Newsletter