Últimas notícias:

Fasciíte

A fasciíte eosinofílica é uma doença autoimune do tecido conjuntivo rara, na qual a pele e o tecido que fica sob a pele se tornam dolorosamente inflamados e inchados e endurecem gradualmente nos braços e nas pernas.


Sintomas de fasciíte eosinofílica

Portanto os sintomas iniciais comuns da fasciíte eosinofílica são dor, inchaço e inflamação da pele, especialmente do lado de dentro dos braços e na frente das pernas. A pele do rosto, tórax e abdômen ocasionalmente podem ser afetados. Habitualmente, os dedos das mãos e pés não são afetados.

Os sintomas podem ser notados pela primeira vez após atividade física extenuante. Os sintomas geralmente progridem gradualmente. Depois de várias semanas, a inflamação da pele começa a endurecer, podendo acabar adquirindo uma textura semelhante à de uma casca de laranja.

Conforme a pele endurece gradualmente, torna-se difícil movimentar os braços e as pernas. Os braços e as pernas podem acabar ficando mais permanentemente congelados em posições incomuns (contraturas) se a doença não for tratada no seu início. A perda de peso e a fadiga são frequentes. A força muscular não costuma diminuir, mas pode ocorrer dor nos músculos e articulações. Raramente, se os braços forem afetados, a pessoa pode desenvolver síndrome do túnel do carpo.

Algumas vezes, as contagens de hemácias e plaquetas no sangue se tornam muito baixas, o que resulta em fadiga e tendência para sangrar facilmente. Raramente, a pessoa desenvolve uma doença no sangue, como a incapacidade de produzir hemácias (chamada anemia aplásica), baixa contagem de plaquetas (que ajudam o sangue a coagular) que provoca sangramento ou um câncer de um tipo específico de leucócitos (linfoma).

Diagnóstico de fasciíte eosinofílica

  • Biópsia
  • Exames de sangue

Mas o diagnóstico de fasciíte eosinofílica se baseia em todas as informações reunidas pelo médico, incluindo sintomas, resultados do exame físico e os resultados de todos os exames.

Entretanto o diagnóstico de fasciíte eosinofílica é confirmado por uma biópsia da pele e fáscia afetadas e análise das amostras. A amostra da biópsia deve incluir todas as camadas da pele até o músculo.

Prognóstico de fasciíte eosinofílica

Em longo prazo, o resultado varia, mas a fasciíte eosinofílica pode se resolver após o tratamento imediato.

Tratamento de fasciíte eosinofílica

  • Corticosteroides

A maioria das pessoas responde rapidamente a doses elevadas do corticosteroide prednisona. O tratamento da fasciíte eosinofílica deve ser iniciado o mais cedo possível para evitar a formação de cicatrizes, perda de tecido (atrofia) e contraturas.

Os corticosteroides não revertem o tecido já atrofiado e com cicatrizes. As doses são gradualmente reduzidas, mas pode ser necessário manter os corticosteroides em níveis baixos durante alguns anos. Medicamentos imunossupressores (como metotrexato ou, alternativamente, azatioprina ou micofenolato de mofetila) podem ser usados em combinação com corticosteroides.

Entretanto as contraturas e a síndrome do túnel do carpo podem precisar ser tratadas cirurgicamente.

Mas a Fisioterapia pode ajudar a diminuir e prevenir mais contraturas.

Os médicos continuam a monitorar pessoas com exames de sangue de modo que, na presença de um distúrbio sanguíneo, elas possam ser diagnosticadas e tratadas o quanto antes.

Pesquisar

Advogados

Podcast

Categorias

Newsletter