Últimas notícias:

Dermatite seborreica

A dermatite seborreica é uma inflamação crônica da pele que provoca escamas amarelas gordurosas e caspa em áreas da pele que têm grande número de glândulas oleaginosas, como o couro cabeludo, a face, ao longo do risco do penteado, ao redor das orelhas e, ocasionalmente, em outras zonas.

Já a causa da dermatite seborreica é desconhecida, mas o número de leveduras do gênero Malassezia, um organismo normalmente presente na pele, bem como a reação da pessoa a ela, tem alguma influência.

Portanto a dermatite seborreica ocorre com mais frequência nos bebês, geralmente nos três primeiros meses de vida, e em adultos entre 30 e 70 anos de idade.

Mas o risco e a gravidade da doença parecem ser afetados por fatores genéticos (geralmente ocorre em famílias) e é pior no clima frio. A dermatite seborreica pode ser mais comum e mais grave em pessoas que têm um distúrbio neurológico (especialmente doença de Parkinson) e em pessoas que têm HIV/AIDS.

Sintomas de dermatite seborreica

Quanto aos sintomas da dermatite seborreica costuma surgir gradualmente, provocando uma escamação seca ou gordurosa no couro cabeludo (caspa), por vezes com coceira, mas sem perda de cabelo.

Nos casos graves, surgem caroços elevados escamosos amarelados a avermelhados, ao longo do risco do penteado, por detrás das orelhas, sobre as sobrancelhas, nas dobras de pele de cada lado do nariz e no tórax.


Diagnóstico de dermatite seborreica

  • O local e a aparência da pele afetada

Já os médicos baseiam o diagnóstico de dermatite seborreica na localização e na aparência da pele afetada.

Tratamento de dermatite seborreica

  • Xampus, cremes antimicóticos, cremes e soluções de corticosteroides e, às vezes, inibidores da calcineurina

Adultos e crianças mais velhas

Em adultos e crianças mais velhas, o couro cabeludo pode ser tratado com xampus que contenham o medicamento antimicótico cetoconazol. Cetoconazol ajuda a controlar leveduras Malassezia. O xampu de cetoconazol deve ser usado duas vezes por semana até que os sintomas estejam controlados e, em seguida, uma vez por semana.

Xampus que contenham piritionato de zinco, sulfureto de selênio, ácido salicílico e enxofre, ou alcatrão, também são eficazes no controle de caspa e devem ser usados diariamente ou em dias alternados até que a caspa seja controlada e, depois, duas vezes por semana.

Se os xampus não aliviarem a coceira, as pessoas podem aplicar uma solução de corticosteroide no couro cabeludo. A dermatite seborreica nas regiões da barba e da sobrancelha é tratada de forma similar à dermatite seborreica do couro cabeludo.

Portanto os produtos com corticosteroides também são usados na cabeça e em outras áreas. Em áreas da face, só se devem usar corticosteroides suaves, como o creme de hidrocortisona a 1% a 2,5%. Até os corticosteroides suaves devem ser administrados com precaução, porque o uso em longo prazo pode reduzir a espessura da pele e provocar outros problemas. O cetoconazol em creme ou outro creme antimicótico podem ser usados em casos leves.

Inibidores de calcineurina (pimecrolimo e tacrolimo) também são utilizados, especialmente quando a terapia a longo prazo é necessária e quando antimicóticos isoladamente não são suficientemente eficazes.

Muitas vezes, o tratamento deve ser mantido por várias semanas. Se a dermatite seborreica voltar depois que o tratamento for interrompido, o tratamento pode ser retomado.

Bebês e crianças pequenas

Em bebês, o couro cabeludo pode ser lavado diariamente com um xampu infantil suave, e pode-se massagear o couro cabeludo ou a face com um creme com hidrocortisona a 1% a 2,5% ou um óleo com fluocinolona. Cremes antimicóticos, como cetoconazol a 2% ou econazol a 1%, podem ser úteis em casos graves.

Já nas crianças pequenas que apresentam uma crosta espessa no couro cabeludo, pode-se esfregar óleo mineral, azeite ou um gel com corticosteroide suavemente sobre a área afetada, todas as noites, com uma escova de dentes macia. O couro cabeludo é lavado diariamente com o xampu até que as escamas espessas desapareçam.

Fonte: Por Thomas M. Ruenger, MD, PhD, Georg-August University of Göttingen, Germany

Pesquisar

Newsletter

Podcast

Categorias