Últimas notícias:

Uma Nova Esperança no Tratamento do Linfoma

O que é linfoma de células do manto (LCM)

O Linfoma de Células do Manto (LCM) é um tipo de câncer que afeta o sistema linfático, uma parte do sistema imunológico do corpo. O sistema linfático é composto por gânglios linfáticos, baço, amígdalas e medula óssea, entre outras estruturas.

O LCM é um tipo específico de linfoma não Hodgkin, que são cânceres que se originam nas células linfáticas. As células do manto são um tipo de linfócito B, que é um tipo de glóbulo branco. O LCM é caracterizado por um crescimento anormal e descontrolado dessas células do manto.

Os sintomas do linfoma de células do manto podem incluir aumento dos gânglios linfáticos, febre, sudorese noturna, perda de peso não intencional, fadiga e desconforto abdominal. O diagnóstico geralmente envolve uma combinação de exames físicos, análises de sangue, biópsias de gânglios linfáticos e exames de imagem, como tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM).

O tratamento do LCM pode incluir quimioterapia, imunoterapia, terapia-alvo, radioterapia e, em alguns casos, transplante de células-tronco. A abordagem terapêutica pode variar dependendo do estágio da doença, da idade do paciente e de outros fatores individuais.

É importante que o diagnóstico e o tratamento do linfoma de células do manto sejam realizados por profissionais de saúde especializados, como hematologistas e oncologistas, para garantir a melhor abordagem para cada caso específico.

Novo tratamento Brukinsa

O linfoma de células do manto (LCM) é uma forma agressiva de linfoma não-Hodgkin que representa um desafio significativo no campo da oncologia. Pacientes que enfrentam essa condição muitas vezes passaram por várias terapias, buscando uma solução eficaz para deter a progressão da doença. Nesse cenário, surge uma promissora alternativa: Brukinsa (Zanubrutinibe).

Entendendo o Linfoma de Células do Manto

O LCM é caracterizado pelo crescimento descontrolado de células B em áreas específicas dos gânglios linfáticos, baço, medula óssea e outros órgãos. Sua agressividade e resistência a tratamentos convencionais tornam essenciais opções terapêuticas inovadoras.

Brukinsa uma Nova Abordagem

O Zanubrutinibe, comercializado como Brukinsa, é um inibidor seletivo de Bruton quinase (BTK), uma enzima crítica na sinalização das células B. Esta medicação foi aprovada para uso no tratamento de pacientes adultos com LCM que passaram por pelo menos uma terapia anterior.

Mecanismo de Ação

A eficácia do Brukinsa reside em sua capacidade de bloquear seletivamente a BTK, interrompendo assim a via de sinalização que promove a sobrevivência e proliferação das células B malignas. Este mecanismo específico de ação não apenas demonstrou eficácia, mas também contribui para um perfil de segurança melhorado em comparação com algumas alternativas.

Pesquisar

Advogados

Podcast

Categorias

Newsletter