Back

Como ser um doador de medula

O transplante de medula é um tratamento que pode beneficiar diversas doenças em diferentes estágios, como leucemias, linfomas, anemias graves, hemoglobinopatias, imuno deficiências congênitas, erros inatos de metabolismo, mieloma múltiplo e doenças autoimunes, por exemplo.

O transplante de células-tronco pode ser utilizado como parte do tratamento de doenças do sangue, como leucemia, certos tipos de linfoma (incluindo linfoma de Hodgkin), anemia aplásica, talassemia, anemia falciforme e algumas doenças metabólicas congênitas ou decorrentes de imunodeficiência (como a doença granulomatosa crônica).

Os transplantes de células-tronco podem também ser realizados em indivíduos que tenham sido tratados com altas doses de quimioterapia ou radioterapia para certos tipos de câncer. Estes tratamentos destroem a medula óssea, que produz as células-tronco. Ocasionalmente, os transplantes de células-tronco podem ser usados para repor células da medula óssea que foram destruídas durante o tratamento de câncer em órgãos, como o câncer de mama ou o neuroblastoma (um câncer infantil comum que se desenvolve nos tecidos nervosos). Os médicos estão estudando como usar o transplante de células-tronco para tratar doenças autoimunes, como esclerose múltipla.

Cerca de 30% a 40% dos indivíduos que tiveram um linfoma e 20% a 50% que tiveram leucemia ficam livres de câncer após o tratamento, incluindo o transplante de células-tronco. O procedimento prolonga a vida em indivíduos com mielomas múltiplos. É menos eficaz para o câncer de mama.

O procedimento consiste em substituir uma medula óssea deficiente por células normais de medula óssea, com a finalidade de reconstituir uma medula saudável.

No entanto, para quem precisa, não é tão simples assim encontrar um doador – estima-se que a chance de achar alguém compatível é de 1 a cada 100 mil, mas esse número pode aumentar ainda mais, dependendo da miscigenação. No Brasil, por exemplo, a mistura de raças dificulta um pouco a localização de doadores compatíveis, mas dados mostram que hoje existem mais de 3 milhões cadastrados no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome).

O que são células-tronco?

As células-tronco são células não diferenciadas com o potencial de se tornarem um dos 200 tipos de células no organismo, incluindo as células sanguíneas, as nervosas, as musculares, as cardíacas, as glandulares e as de pele.

Algumas células-tronco podem ser estimuladas a converterem-se em qualquer tipo de célula no organismo. Outras já se encontram parcialmente diferenciadas e só podem se tornar outro tipo de célula nervosa.

As células-tronco dividem-se, produzindo mais células-tronco, até serem estimuladas a especializarem-se. Depois, à medida que continuam a dividir-se, vão-se tornando cada vez mais especializadas, até se transformarem em um único tipo celular.

Os investigadores esperam utilizar as células-tronco para reparar ou substituir células ou tecidos danificados ou destruídos por doenças, como a doença de Parkinson, o diabetes e as lesões da medula espinhal. Ao estimular certos genes, os pesquisadores podem fazer com que as células-tronco se especializem e se tornem as células que precisam ser substituídas.

Até agora, os pesquisadores conseguiram obter células-tronco das seguintes fontes:

  • Embriões
  • Fetos
  • Sangue no cordão umbilical
  • Medula óssea de crianças ou adultos
  • Células-tronco pluripotentes induzidas (certas células de adultos que podem ser alteradas para atuar como células-tronco)

Embriões: Durante a fertilização in vitro, o esperma do homem e vários óvulos da mulher são colocados em um recipiente com um meio de cultivo. O esperma fecunda o óvulo e a célula resultante divide-se, formando um embrião. Colocam-se vários embriões, aqueles que parecem mais saudáveis, no útero da mulher. Os restantes são colocados à parte ou congelados para serem utilizados mais tarde, se for necessário.

Podem-se obter células-tronco a partir dos embriões que não são utilizados. Como os embriões perdem a sua capacidade de crescer e de se tornarem seres humanos completos, o uso de células-tronco de embriões é controverso. Mas os pesquisadores acreditam que essas células-tronco têm o maior potencial para produzir tipos distintos de células e para sobreviverem após um transplante.

Fetos: Após 8 semanas de desenvolvimento, o embrião passa a ser denominado feto. As células-tronco podem ser obtidas a partir de fetos perdidos ou abortados.

Cordão umbilical: As células-tronco podem ser obtidas a partir do sangue do cordão umbilical ou da placenta, depois do nascimento do bebê. Estas células-tronco produzem somente células de sangue e têm sido utilizadas para transplante somente nos últimos anos.

Crianças e adultos: A medula óssea e o sangue de crianças e adultos contêm células-tronco. Essas células-tronco só podem produzir células sanguíneas. Estas células-tronco são normalmente utilizadas para transplantes.

Células-tronco pluripotentes induzidas: Os cientistas estão desenvolvendo maneiras de permitir (induzir) outras células (como células de sangue ou de pele) para atuarem como células-tronco. Estas células são coletadas de adultos. Uma maneira de induzir estas células é injetá-las com o material que afeta seus genes, um processo denominado de reprogramação.

O desenvolvimento e o uso de células-tronco induzidas são ainda considerados experimentais.

Reviews
5
Speed
Quality
Price
Friendly
Summary

O transplante de células-tronco pode ser utilizado como parte do tratamento de doenças do sangue, como leucemia, certos tipos de linfoma (incluindo linfoma de Hodgkin), anemia aplásica, talassemia, anemia falciforme e algumas doenças metabólicas congênitas ou decorrentes de imunodeficiência (como a doença granulomatosa crônica).